sábado, 17 de dezembro de 2011

Hoje!!!


Guardo o anel de pedra azul no meu dedo, a tua voz tremula, o teu olhar meigo olhando para mim:é teu, é para usares.
Era o tempo em que eu te tinha só para mim.
O teu olhar de mel... o teu corpo grande eram o prazer dos meus dias contigo e não sabes o orgulho que sentia de te ter a meu lado, de ter a sorte de estares comigo, de seres tão doce e de criares em mim a ilusão de que era desejada.
Mas eu sabia que não era amada e nem eu sabia que te amava tanto, até ao dia em que o teu olhar de mel e a tua voz tremula encontrou o mar que tanto procurava.
Afundei me nesse mar de lágrimas intermináveis durante dias incalculáveis, tentando conformar me que o amor não se escolhe nem tão pouco se domina à nossa vontade.
A diferença era tão grande que desejei morrer para poder ficar com o tempo e com tudo o que recebi de ti, só para não sofrer mais.
Hoje, ver esse teu amor de novo fez me ter inveja de quem tem o privilégio de se sentir amado por ti e senti ciúmes. Ciúmes, um nó na garganta e tudo cá dentro caiu.
Quando voltei a mim senti que não eram ciúmes doentios ou ciúmes infundados e obsessivos, é, apenas, ciúmes por não ser amada assim, por não ser a força que te levanta, por nunca poder ser o teu amor, mas, apenas e só a tua amizade, o carinho de quem gosta simplesmente de mim... É esta certeza que me faz ter uma vontade imensa de te ver, de te abraçar...mesmo sabendo que a saudade de ti permanecerá sempre na minha vida. Beijo te sempre com o meu coração e isso eu sei que tu sabes que sim. É esse o meu único privilégio!

1 comentário:

tulipa disse...

Um texto muito sentido! Triste, talvez! Algum desanimo! Mas gostei.
um beijo
tulipa